9 de março de 2017

Benfica deixou-se iludir e acabou goleado

O Benfica saiu da Liga dos Campeões com a maior goleada sofrida na era Rui Vitória (4-0), num jogo em que acabou por pagar caro a ilusão de poder impor-se futebolisticamente ao Borussia de Dortmund.

Previa-se que o afortunado 1-0 da Luz fosse uma vantagem inevitavelmente curta para poder servir de suporte a um plano de jogo assente apenas em tentar defender esse golo de diferença.
Afinal de contas, o Benfica jogava num dos mais temidos palcos europeus contra uma equipa do Borussia de Dortmund reconhecida especialmente pelo invulgar talento ofensivo.

Esperar passar mais 90 minutos a desviar-se milagrosamente das balas, como na primeira mão, seria entregar o destino a uma sorte difícil de repetir.
Nesta época, só o Schalke 04 tinha conseguido sair do Signal Iduna Park com as redes invioladas, em Outubro.
E desde a derrota na Luz, a equipa de Thomas Tuchel tinha entrado numa espiral goleadora que produziu 12 golos em três jogos na Bundesliga.

Para acabar cedo com as dúvidas quanto à impossibilidade de se repetir o cenário da Luz, o Dortmund demorou apenas quatro minutos a anular esse golo de desvantagem.
Fê-lo curiosamente após uma tentativa do Benfica em chegar à área contrária, aproveitando o contragolpe para ganhar um canto no qual Aubameyang mostrou estar sedento para se redimir da noite desastrosa que tivera em Lisboa: o gabonês surgiu ao segundo poste a desviar para a baliza, após falhas de marcação de Samaris (ao primeiro poste, a permitir o desvio de Pulisic) e Nélson Semedo (que deixou fugir o avançado nas suas costas).

Os 20 minutos seguintes pareciam expor a incapacidade do Benfica em discutir a eliminatória jogo pelo jogo.
Abalado pelo golo madrugador, o conjunto de Rui Vitória caía na mesma caricatura futebolística do primeiro jogo, sem capacidade para combinar dois passes na saída de bola para o ataque, com André Almeida, Pizzi e Samaris perdidos no miolo dada a asfixiante pressão germânica.

A boa face do Benfica

Mas, então, uma jogada houve em que os papéis se inverteram: aos 24 minutos, o Benfica travestiu-se de Dortmund e construiu um lance de futebol coletivo em que a bola passou de pé para pé, em progressão, com variações de flanco, até terminar num remate fraco de Cervi no coração da área, após cruzamento de Nélson Semedo.
A partir daqui, o Benfica acreditou que também era possível jogar contra o Dortmund e partiu para uns bons 20 minutos até ao intervalo.

Pizzi assumiu o protagonismo que esta equipa do Benfica lhe exige, Salvio e Nélson Semedo empolgaram-se em animados diálogos com bola pela direita e a equipa de Rui Vitória foi inclinando o tabuleiro para a área de Bürki, chegando ao intervalo com os mesmos remates à baliza do Dortmund: 2-2 (o de Cervi e um cabeceamento de Luisão).

O Benfica recolheu aos balneários com confiança reforçada e encheu ainda mais o peito logo no reinício, quando Cervi voltou a ter nos pés o empate, após mais uma boa ação de Semedo na direita, mas o argentino deslumbrou-se com o momento e demorou o remate, salvo in extremis pelos defesas do Dortmund, que se atravessaram à sua frente.
Foi o canto do cisne para o Benfica.
Iludido pela sensação de poder impor-se futebolisticamente à equipa alemã, o campeão nacional deixou o jogo partir-se de forma perigosa.
Letal mesmo, perceber-se-ia quase de imediato.

Aubameyang e o descalabro

Ederson ainda ameaçou voltar a assombrar o Dortmund, tal como no jogo da Luz, ao negar por três vezes o golo no frente-a-frente com avançados contrários (duas delas em lances anulados por fora de jogo), mas o descalabro defensivo de um Benfica então demasiado desequilibrado seria confirmado pouco depois, com Pulisic e Aubameyang a marcarem dois golos no espaço de três minutos, entre os 59 e os 61.

Sentenciada a eliminatória, apesar das mexidas de Rui Vitória (lançou Jonas, Jiménez e Zivkovic, mas já não havia crença nem organização), sobrou ainda tempo para Aubameyang completar a vingança com o seu terceiro golo da noite, tornando-se o primeiro jogador desde o galês Ian Rush (em 1984, pelo Liverpool) a fazer um hat trick ao Benfica na Taça/Liga dos Campeões.

5 de março de 2017

Pizzi decidiu e manteve o Benfica na liderança do campeonato

O Feirense vendeu o resultado caro, mas não foi capaz de travar o Benfica, que passa mais uma jornada na liderança da I Liga graças a um triunfo por 0-1 no Marcolino de Castro.
Pizzi fez o único golo do encontro, poucos minutos antes do intervalo, e os “encarnados” reassumiram o trono que durante algum tempo tinham cedido após a goleada do FC Porto ao Nacional (7-0).
Em Santa Maria da Feira, o emblema da casa não se atemorizou por defrontar os tricampeões nacionais, mas, apesar de alguns calafrios, a equipa de Rui Vitória superiorizou-se pela eficácia e mantém um ponto de vantagem sobre os “dragões”.

A primeira parte foi disputada, com oportunidades para as duas equipas.
Compacto e pressionante a defender, o Feirense combinava bem no ataque para criar perigo junto da baliza “encarnada”.
A equipa de Nuno Manta só não esteve irrepreensível porque, aos 42’, a defesa deixou Pizzi passar e inaugurar o marcador.
No segundo tempo o Benfica assumiu o comando das operações, conseguiu gerir a vantagem e teve a fortuna do seu lado quando, aos 69’, Karamanos acertou no pé de Ederson e a bola ficou a milímetros da linha de golo.

Pizzi voltou ao “onze” e foi o protagonista do jogo, com o golo que deu sétima vitória consecutiva, em todas as competições: após passe de Carrillo, o português passou por um defesa e inaugurou o marcador.
Antes, o Benfica tivera uma excelente oportunidade para marcar, num contra-ataque fulminante, com quatro jogadores “encarnados” para um defesa, mas Salvio optou pelo remate em vez do passe e Vaná segurou sem problemas.
Só que o Feirense também ameaçou: Luís Machado, com a baliza escancarada após passe de Barge que Luisão cortou de forma defeituosa, atirou por cima.

A vantagem mínima não permitia aos benfiquistas ficarem demasiado descansados, como Etebo fez questão de demonstrar nos primeiros minutos da segunda parte: valeu a saída rápida de Ederson aos pés do nigeriano.
O Feirense ficaria muito perto do golo após um canto aos 69’, com Karamanos a fazer o desvio e a bola a ficar presa no pé esquerdo de Ederson, a milímetros da linha de golo – o guarda-redes até perdeu a noção de onde estava a bola, porque olhou para trás, para o interior da baliza, à sua procura.

Mas o Benfica também teve oportunidades que desperdiçou.
Mitroglou rematou contra Barge, após Vaná facilitar e perder a bola para Salvio (56’).
Cervi viu Ícaro fazer um corte providencial (65’).
E Salvio fez a bola rasar o poste (72’).

Os três pontos não fugiram ao Benfica, que além do triunfo também celebrou o jogo 100 de Jonas com a camisola “encarnada”.

Incidentes em Santa Maria da Feira fazem Benfica temer pena pesada

O aniversário dos No Name Boys, claque do Benfica, resultou em cânticos de parabéns, mas também em dezenas de tochas e petardos atirados para o relvado.

Também de incidentes se conta a vitória do Benfica em Santa Maria da Feira.
Entre tochas, petardos, cadeiras arrancadas e a queda de uma vedação que feriu o repórter fotográfico, vários foram os incidentes que, segundo foi possível apurar, deixam os encarnados na expectativa de um eventual castigo mais grave do que as já habituais pesadas multas que têm pago por causa do mau comportamento dos seus adeptos.

A partida começou cinco minutos para lá da hora porque a data era de festa para os No Name Boys, uma das claques dos encarnados, que ontem festejaram o 25º aniversário.
Depois de vários cânticos de parabéns, incluindo ao clube que festejou o 113º aniversário no dia 28 de Fevereiro, a falange de apoio, concentrada no Topo Sul do Estádio Marcolino de Castro, atirou mais de uma dezena de tochas para o relvado, criando uma nuvem de fumo e obrigando à intervenção dos bombeiros para apagarem os engenhos.
Um deles criou mesmo um problema com a rede da baliza sendo que Luisão, capitão das águias, foi até junto do local pedir calma para que o encontro se pudesse iniciar.
No final da primeira parte, foi atirada uma cadeira, mais algumas tochas e um petardo rebentou junto a Vaná, guarda-redes do Feirense, que atirou furiosamente a cadeira para fora das quatro linhas.

Depois, surgiram mais problemas.
Após o golo de Pizzi, um muro de proteção da bancada cedeu causando a queda de vários adeptos para o relvado ferindo um repórter fotográfico que ficou com cortes em ambas as pernas, tendo atravessado, de maca, o relvado ao intervalo para ser encaminhado, de ambulância para o Hospital São Sebastião.

Reus não joga com o Benfica

É baixa confirmada para o jogo da segunda mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões entre Dortmund e Benfica: Marco Reus, jogador dos alemães lesionou-se esta tarde no jogo contra o Leverkusen e não alinhará frente aos encarnados. 
Quem o garante é Thomas Tuchel, treinador do Dortmund.

«É uma notícia triste para nós.
A hipótese de jogar contra o Benfica está descartada.
Ele tem uma lesão muscular.
É uma enorme perda, que manchou a vitória de hoje», admitiu o treinador alemão.

Recorde-se que o Benfica venceu a primeira mão desta eliminatória por 1x0 no Estádio da Luz.
A segunda mão está marcada para quarta-feira, no Signal Iduna Park.

1 de março de 2017

A vitória na Taça de Portugal

Milhares de Benfiquistas coloriram as bancadas do Estádio António Coimbra da Mota e foram brindados com uma vitória do Sport Lisboa e Benfica por 1-2 frente ao Estoril.
Mitroglou foi o homem-golo com um bis que colocou as águias na frente da meia-final da Taça de Portugal.

O jogo na Amoreira foi apenas a primeira mão e Nélson Semedo recordou, no final da partida, que “falta a segunda parte” da eliminatória.
O treinador Rui Vitória estava feliz por uma “vitória bem conseguida”.

Veja ou reveja as imagens que documentam o triunfo Benfiquista na casa do Estoril.

25 de fevereiro de 2017

“É ESPECIAL JOGAR NO ESTÁDIO DA LUZ”

O Sport Lisboa e Benfica regressou esta noite de sexta-feira a casa, à Liga NOS… com a disputa da 23.ª jornada da competição.
Frente ao GD Chaves, triunfo justo, por 3-1, com Mitroglou a bisar – já são 23 os golos. e Rafa a deixar também a sua marca no encontro.

O Tricampeão segue líder isolado, com 57 pontos, na prova…

Numa noite em que estiveram 53 810 adeptos na Catedral, Mitroglou foi eleito Man of the Match, após votação promovida no Facebook Oficial do Clube: "Estou muito feliz pela vitória e muito feliz com o prémio. 
Gosto de marcar golos, gosto de ganhar. 
Somos uma grande equipa, fortes em todos os sectores e juntos trabalhamos para as vitórias. 
Os adeptos são especiais, ajudam-nos a ganhar. É muito especial jogar aqui”, afirmou o grego, em declarações à Benfica TV.


“FALTAM ONZE FINAIS”

O SL Benfica recebeu e venceu esta noite de sexta a formação do GD Chaves, por 3-1, numa belíssima e intensa partida de Futebol. Mitroglou (2) e Rafa fizeram os golos da vitória, três pontos que mantêm o Tricampeão no topo da classificação da Liga NOS agora com 57 pontos à passagem da 23.ª jornada.

No final da partida, Samaris esta noite titular, analisou as principais incidências e mostrou-se satisfeito com a exibição do coletivo e fez questão de agradecer aos mais de 53 mil adeptos na Catedral.

Foi uma boa vitória, muito bem conseguida da nossa parte! 
Fizemos um bom jogo, sobretudo na 2.ª parte. 
É este o nosso trabalho, ir sempre para ganhar, jogo a jogo. Olhamos para todos os jogos como finais e faltam onze finais para o nosso objetivo que é ganhar o Campeonato”, começou por dizer o médio grego.

Instado a comentar o segundo, um lance iniciado por si, Samaris disse que é fruto do trabalho do coletivo.

Foi um lance bem trabalhado pela nossa equipa, trabalhamos isso nos treinos. 
Hoje foi o Samaris, amanhã será outro e depois outro”, explicou, elogiando de seguida a Família Benfiquista: “Quero enaltecer o ambiente no Estádio, numa sexta-feira à noite, não são todas as equipas que têm mais de cinquenta mil adeptos a apoiar. 
Queria agradecer aos nossos adeptos. 
Obrigado!

Segue-se uma deslocação ao estádio António Coimbra da Mota.
SL Benfica e Estoril disputam a 1.ª mão das meias-finais da Taça de Portugal, uma partida agendada para as 20h15 da próxima terça-feira… dia em que se assinala o 113.º Aniversário do Glorioso.

24 de fevereiro de 2017

Benfica: Fejsa de fora frente ao Desp. Chaves

A ausência do médio Fejsa e o regresso de Jonas, que Rui Vitória tinha confirmado, são as principais novidades na lista de convocados do Benfica para a receção ao Desp. Chaves, esta sexta-feira.

O médio está lesionado, tendo sofrido uma entorse da tibiotársica esquerda, informa o clube da Luz.
Grimaldo é o outro lesionado do grupo, algo já de longa data.

O técnico chamou 20 jogadores para o encontro.

LISTA DE CONVOCADOS:

Guarda-redes:
Ederson 
Júlio César.

Defesas:
Luisão
Jardel
André Almeida
Nélson Semedo
Lindelöf
Eliseu.

Médios:
Filipe Augusto
Carrillo
Samaris
Salvio
Rafa
Zivkovic
Pizzi
Cervi.

Avançados:
Jonas
Luka Jovic
Mitroglou 
Raúl Jiménez.


Fundão elimina Benfica da Taça da Liga

Surpresa nos quartos de final da Taça da Liga.
O Fundão agigantou-se e venceu o Benfica, por 4-1, colocando as águias fora da competição.

Naquele que foi o melhor e mais emocionante jogo dos quartos de final, o Fundão demonstrou, desde o apito inicial, que tinha armas para contrariar o favoritismo do Benfica.
Teka foi o primeiro a ameaçar o golo, mas esbarrou em Cristian.
Na resposta, Elisandro teve tudo para marcar, mas Iago Sánchez foi um gigante na hora de defender a baliza.

Aos nove minutos, Waltinho assinou uma obra de arte com um pontapé acrobático, que só parou no fundo da baliza de Cristian.
A festa do Fundão durou poucos instantes. deu o melhor seguimento a um remate ao segundo poste de Gonçalo Alves e empatou.
O jogo desenrolava-se a um ritmo alto e com uma entrega notável das equipas, a disputarem os lances nos limites.
Cristian voltou a brilhar no cara a cara com Danny, mas, depois, não impediu que este fizesse o gosto ao pé, ao concluir com êxito uma brilhante jogada do inspirado Waltinho.

O Benfica regressou do intervalo disposto a inverter o rumo dos acontecimentos e esteve perto do empate, mas Iago Sánchez negou o golo a Chaguinha.
Na resposta, Teka ameaçou o 3-1, mas rematou ao lado. Depois, Elisandro rematou com estrondo à trave da baliza dos beirões.
Aos 31 minutos, foi a vez de Chaguinha ver o poste negar-lhe o golo.

O jogo desenrolava-se numa toada de parada e resposta, com oportunidades junto das duas balizas.
O Benfica acentuava a pressão junto à baliza adversária, mas o Fundão segurava a vantagem.
A cinco minutos do fim as duas equipas atingiram a quinta falta.
Dois minutos depois, Joel Rocha lançou Bruno Coelho como guarda-redes avançado.
Um risco que esbarrou em Iago Sánchez, um gigante na baliza do Fundão.
A 51 segundos do fim, Teka não vacilou na marca dos 10 metros e sentenciou o jogo.
No desespero da águia, Waltinho, a grande figura do encontro, fez o 4-1 e no último segundo Chaguinha estabeleceu o resultado final.

Fundão, 4
Benfica, 2

Local: Pavilhão Multiusos de Gondomar.
Árbitros: Tiago Silva (Porto) e António Almeida (Viana do Castelo).

Fundão:
Iago Sánchez;
Eskerda,
Márcio,
Teka
Noé Pardo
Hélder Fernandes
Erick
Nuno Couto
Danny
Bruno Serôdio
Waltinho
David Gomes.

Treinador: Bruno Travassos.

Benfica:
Cristian
Wilhelm
Chaguinha
Bruno Coelho
Rafael Henmi
André Correia
Gonçalo Alves
Alessandro Patias
Elisandro
Franklin
Mário Freitas

Jefferson
Tiago Fernandes.

Treinador: Joel Rocha.

Ao intervalo: 2-1.

"Se o Benfica não for campeão prefiro que ganhe o FC Porto"

Renato Sanches acredita que os encarnados acabarão por vencer o campeonato.
Renato Sanches encontra-se longe de Portugal mas continua a seguir veemente o percurso do Benfica no campeonato nacional.
Em entrevista ao jornal A Bola, o internacional português acredita que os encarnados irão conquistar o tretacampeonato, contudo se não ganharem, Renato confessou quer que o vencedor seja… o FC Porto.

"Sou benfiquista e quero que o Benfica seja campeão. E acho que vai ser campeão. 
Se não for campeão é triste, mas até prefiro que ganhe o FC Porto em vez do Sporting", disparou.

No final, o médio germânico deixou elogios à formação das águias, usando o seu exemplo para embelezar o trabalho que tem sido feito pelo Benfica, ao longo dos anos.

"Eu penso que é uma mais-valia para todos os jovens portugueses, para apostarem neles, para lhes darem mais oportunidades, porque se não lhes derem oportunidades não vão conseguir vender. 
E se derem oportunidades é uma mais-valia. 
Se calhar o Benfica comigo nem gastou 500 mil euros e depois ganhou milhões. 
Penso que isso é muito bom para o clube e para nós, o Benfica cada vez mais aposta na formação, tem miúdos de 17 jogam muito", sublinhou.